Bolhinhas, muitas bolhinhas…

Da saga a cozinha é o melhor laboratório do Mundo, desta vez veremos como bicarbonato de sódio e vinagre reagem.

A forma mais fácil de atrair a reação de uma criança em ciência é falar em bolhinhas; e neste caso, quantas mais melhor.

Encha uma palete de gelo com vinagre e diferentes corantes, coloque no congelador até que fique completamente congelado. Depois é só colocar os vários cubos num prato e espalhar o bicarbonato de sódio misturado com água em cima deles.

Podem ver pela imagem é muito fácil de os entreter com esta experiência. Website: Teaching Momma

Tal funciona desta maneira porque quando estes dois ingredientes estão juntos ocorrem duas reações químicas: a primeira, é um ação ácido-base que dá origem ao ácido carbónico e ao acetato de sódio; contudo, rapidamente o ácido carbónico inicia uma reação de decomposição dando origem a dióxido de carbono (o que explica o surgimento de todas as bolhas) e água.

Experimentem por aí e digam-nos como correu!

Divirtam-se! 😊

Anúncios

Pasta Rocket

Quem precisa de um laboratório XPTO da NASA, quando tem uma cozinha em casa?

Uma das coisas que podemos fazer na cozinha é um rocket recorrendo apenas a massa, um frasco de vidro, água oxigenada/peróxido de hidrogénio (como lhe quiserem chamar) e um pouco de fermento.

A “receita” segue já a seguir:

😊 Fazer um furo na tampa do frasco de vidro;

😊Encher ¾ do frasco de vidro com água oxigenada;
😊 Colocar 4 pitadas de fermento no frasco e mexer para misturar;

😊Colocar a tampa no frasco;
😊 Colocar massa tubular mesmo por cima do buraco que está na tampa;

😊 Aproximar um fósforo aceso ao topo da massa;

😊 Divirta-se com o espetáculo!

 

A mistura entre a água oxigenada (3% V/V, normalmente aquela que compramos) e o fermento faz com que exista um fluxo constante de oxigénio, que é essencial para que a chama se mantenha acesa. Tal ocorre porque o fermento contém uma enzima que catalisa a produção de oxigénio.

A massa, sendo um carboidrato complexo, atua como combustível improvisado.

Vejam no vídeo seguinte como fica.

 

Divirtam-se por aí e digam-nos como correu!

Arco-Íris num Frasco

A ciência ajuda-nos a perceber o que nos rodeia, mas apenas faz sentido se o fizermos com alegria. E mais do que um trabalho, também pode ser uma brincadeira. Um desses exemplos é a construção de um arco-íris que pode acontecer mesmo à nossa frente.

Tudo o que precisam podem encontrar numa loja bastante perto de vocês ou quem sabe já tenham estes ingredientes aí por casa.

A lista é a seguinte:

🙂 1 recipiente de vidro alto;

🙂 Detergente da loiça azul;

🙂 Azeite;

🙂 Álcool;

🙂 Amido dissolvido em água;

🙂 5 corantes de cores diferentes;

🙂 5 colheres para efetuar as misturas;

🙂 5 recipientes mais pequenos para as pequenas misturas.

 

No final, deverão obter um recipiente em que todos os líquidos se encontram devidamente separados. Afinal de contas, a ciência também tem formas divertidas de aprender. Toda esta diferença entre os vários líquidos acontece porque todos eles têm diferentes densidades. Assim, os que têm uma maior densidade – e consequentemente pesam mais – ficam nas camadas mais baixas. Ou seja, os líquidos menos densos situam-se no topo da coluna dos líquidos.

 

Experimentem por aí e digam-nos como é que correu!

 

Até à próxima!

Reitoria recebe a 2ª Gala de Aniversário PubhD Porto e destaca comunidade de estudantes internacionais

via Reitoria recebe a 2ª Gala de Aniversário PubhD Porto e destaca comunidade de estudantes internacionaiscartaz-2a-gala-pubhd-porto_pequeno

O PubhD Porto completa dois anos de actividade e há festa na Reitoria da Universidade do Porto, para celebrar a Ciência. O encontro está marcado para o dia 31 de Janeiro, às 18h, no Salão Nobre e contará com a presença de Pedro Rodrigues, Vice-Reitor para a Investigação, inovação e internacionalização, de Maria de Lourdes Fernandes, Vice- Reitora para a Formação, organização académica e relações internacionais e de Fátima Vieira, Vice- Reitora para a Cultura, Uporto Edições e Museus.

A 2ª Gala de Aniversário do PubhD Porto destaca a comunidade internacional de doutorandos nas instituições de ensino superior do Porto. Engenharia Civil, Comunicação e Media Digitais e Medicina e Oncologia Molecular são as três áreas apresentadas ao público por três estudantes de doutoramento. Diego Calvetti, doutorando em Engenharia Civil na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP)  vem falar-nos sobre como melhorar e monitorar a produtividade de trabalhadores de construção civil. Para sabermos mais e quais as últimas tendências em vídeo participativo, storytelling e literacia mediática, teremos Dorneles Neves, do programa doutoral em media digitais,da FEUP. Naiara Neves, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), traz-nos o tema da Saúde oral, mais concretamente sobre perda dentária, hiperfosfatemia e variação do FGF 23 em pacientes com insuficiência renal crónica.

Esta edição contará ainda com um momento musical protagonizado por duas alunas da Academia de Música de Vilar do Paraíso, Helena Lopes e Inês Francisco que apresentarão peças tocadas em harpa.

O PubhD (pub de bar e PhD de doutoramento) é um movimento internacional de divulgação de ciência que surgiu em Nottingham (2014) e chegou a Portugal em 2015 (Lisboa). Por iniciativa de três investigadores de instituições de ensino superior do Porto, Filipa M. Ribeiro, Nuno Francisco e Ricardo Ferraz, esse movimento chegou à cidade do Porto em Janeiro de 2017 com o objectivo de dar voz à investigação dos jovens cientistas e divulgar, de forma criativa e informal, a investigação científica mais actual. O PubhD Porto tem uma frequência mensal, acontecendo sempre na última quinta-feira de cada mês.

Mais informações:

https://www.facebook.com/PortoPubhd/
https://pubhdporto.wordpress.com/

“A Ciência passa, a poesia fica”

IMG_20181212_171154

 

Semicerrou os olhos quando as canções ecoaram pelo átrio amplo repleto de jovens cientistas para ouvir a estória por detrás do currículo de Maria de Sousa. Ouviu-se, então, Amália e José Afonso. “Só vim aqui porque tiveram a gentileza de me convidar, mas acredito piamente que a opinião e a vida de um velho não tem qualquer utilidade para os mais novos”, começou por dizer naquele tom que ela própria já sabe pretender abanar a audiência. Estava aberta a última sessão do ano de “The story behind the CV”, uma iniciativa do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), que consiste em conversas informais com cientistas inspiradores com um foco no seu percurso profissional.

Maria de Sousa, uma referência na área da Imunologia, e a quem ninguém fica indiferente face ao seu estilo confontativo e ‘fino como um alho’. Maria de Sousa trabalhou em Inglaterra, Escócia e Estados Unidos. Regressou a Portugal em 1985 e, contra todas as probabilidades, trocou Lisboa pelo Porto tornando-se professora catedrática de Imunologia no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS). Em 2014, publicou o livro Meu Dito Meu Escrito com a sua visão sobre ciência e cientistas.

A oradora focou-se depois, precisamente, nessa decisão de vir para o Porto quando o expectável era que ficasse ou nos EUA ou em Lisboa. “A maior parte dos meus amigos portugueses achou um completo disparate a minha vinda para o Porto. Os meus amigos norte-americanos apenas disseram que se essa era a minha decisão, eles ajudariam no que pudessem. E ajudaram a pagar transporte de equipamento e até contas de electricidade. Nesse tempo havia essa entre-ajuda entre colegas. Agora é tudo muito mais competitivo”.

Dirigindo-se depois mais directamente aos jovens cientistas, ela diz que os doutorandos têm a responsabilidade de escolherem a área em que querem trabalhar “porque sem gosto isto de trabalhar na Ciência não vai lá”, os pós-docs devem ter a liberdade de  escolher onde querem trabalhar e os Investigadores Principais e chefes de grupo têm a enorme responsabilidade de promover uma cultura de abertura disciplinar e científica nos seus laboratórios.

“Saibam bem quem são os vossos amigos neste mundo da Ciência”

E voltou a frisar o que já disse noutras entrevistas: “Aquilo que nós devemos preparar nos nossos alunos é a capacidade de aprender. Portanto o que você tem que saber é aprender. Não tem que saber o que já se sabe, quer dizer… tem que saber o que já se sabe, sim, mas com uma atitude de aprender outras coisas, de ser capaz de aprender o que vem a seguir. Se souber só uma coisa não vai a sítio nenhum, fica escravo daquilo que sabe. O que é importante é educar a capacidade de aprender, mas não é fácil”.

Quando interpelada por uma investigadora pós-doc sobre como manter a motivação e essa abertura científica em tempos de extrema competição por recursos sempre escassos, percebeu-se na resposta de Maria de Sousa que ela própria não sabe como equilibrar essa balança. “As coisas mudaram muito. Na Ciência e nesta profissão, temos de estar muito bem preparados para a mudança. No meu tempo ainda haviam menos recursos, não haviam concursos nem financiamento. Mas havia muita entreajuda entre cientistas”, referiu. “Acima de tudo, saibam bem quem são, de facto, os vossos amigos neste mundo da Ciência e cuidado com os vossos parceiros: já vi casais destruídos porque ambos eram muito competitivos até um com o outro, casais que se formaram para um tirar vantagem do outro e casais que foram à falência financeira e emocional”.

E, inesperadamente, Maria de Sousa apelou: “Escrevam poesia, tenham tempo para a poesia. A Ciência passa, mas a poesia fica. Mas para escrever poesia é preciso ter tempo para meditar no que está a acontecer. Não ser uma escravo do trabalho, ter tempo para se retirar e meditar. É preciso tempo para não fazer nada e apenas meditar”. Não vale a pena viver sempre a correr de tarefa em tarefa. A vida não é isso”.

A civilização a partir das suas plantas (ou vice-versa)

download

Este não é livro para se ler, mas para se saborear, como se estivéssemos a tomar um chá com o autor e ele nos fosse contando histórias e estórias, de forma tranquila e ligeira, a propósito de algumas das plantas que também pontuam a história da nossa civilização.

Luiz Mors Cabral conseguiu um livro difícil de arrumar em alguma categoria literára, não é um livro científico nem d divulgação de ciência; conseguiu a proeza rara de ter uma obra com 0% de eruditismo e 100% de acessibilidade a qualquer leitor. É, como o próprio autor apresenta, um livro que conta histórias da relação entre a splantas e alguns dos momentos marcantes da história da Humanidade.

Luiz Mors Cabral é professos adjunto na Universidade Federal Fluminense, é licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003), mestre em Química Biológica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005) e doutorado em Química Biológica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009). Não é surpreende que, na sua investigação, privilegie a Biologia Molecular de Plantas. Mas o seu livro é um perfeito exemplo do casamento entre as ciências e as humanidades

Em cada capítulo, o autor, num estilo bem coloquial, recorda episódios do seu percurso académico que o levaram a encontrar-se com algum pormenor sobre uma determinada planta, dando o mote para ele nos contar algumas peculiaridades sobre as mesmas. Por exemplo, sabiam que o formato que hoje conhecemos do coração vem de uma vagem com o invulgar nome laserpício? Sabiam que a maçã já teve uma péssima reputação nos EUA e esteve ligada à Lei Seca? Ou que a canela, que não é originária do Brasil, está relacionada com a descoberta do Amazonas? E que o pigmento de amarelo indiano tão usado por artistas europeus provinha da urina de vacas exclusivamente alimentadas com folhas de mangueira, na Índia? E até a descoberta da aspirina se transforma numa aliciante aventura neste livro.

Dá, então, para perceber porque o subtítulo da obra é: fascinantes histórias de etnobotânica. E Cabral introduz-nos, com este livro, e de forma bem prazeirosa, a essa disciplina que estuda simultaneamente a botânica e a etnologia.

A escrita de Cabral é bem-humorada, mas não deixa de comover nos capítulos em que fala do seu avô e como este o ajudou a fundar o Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais, da UFRJ.

E temos até direito a recordações de infância do autor:

“Meu gosto pelo estudo da origem das plantas tem muito a ver com o milho. Quando era pequeno, costumava brincar no milharal que havia no sítio do meu avô paterno. Ali, certa vez, encontrei um milho estranho, bem diferente dos demais (…). Ninguém soube me explicar que planta era aquela. A resposta só veio no final das férias, quando mostrei-a para meu avô materno, que era químico de produtos naturais. Ele analisou a haste com muito interesse e disse: ‘Isso é uma mutação atávica do milho! Por algum motivo esse milho voltou a ser parecido com o seu ancestral!’

Não se pode dizer que meu avô tenha resolvido o mistério. Antes, ele o substituiu por outro ainda maior e mais instigante. Este livro começou a nascer naquele momento, quando descobri que plantas tinham ancestrais e histórias.” (p.155)

Um aspecto menos positivo, porém, é a ausência de uma bibliografia que oriente o leitor a ir saber mais e de aprofundar mais alguns temas, pois ao autor tem o mérito de aguçar a curiosidade do leitor em ir pesquisar mais.

CABRAL, Luiz Mors. 2016. Plantas e civilização: fascinantes histórias da etnobotânica. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro. (Ilustrações Carolina Engel.)

3 títulos, a mesma notícia

Nos dias 9 e 10 de novembro, os jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Observador publicaram uma notícia sobre o quilograma:

DN:  https://www.dn.pt/vida-e-futuro/interior/mudanca-a-caminho-um-quilo-vai-deixar-de-ser-um-quilo–10154607.html

Capturar_5

JN – https://www.jn.pt/inovacao/interior/quilograma-padrao-vai-passar-a-ser-definido-com-fisica-quantica-10159109.html

Capturar_4.PNG

https://observador.pt/2018/11/09/o-quilograma-vai-mudar-unidade-de-medida-deixara-de-depender-de-objeto-fisico-guardado-em-paris/

Capturar_6

Foram utilizados três  títulos distintos para comunicar a mesma informação, mas só um dos títulos é  verdadeiramente elucidativo.. .

Mas afinal, o que vai acontecer?

Basicamente o seguinte: vai deixar de se usar o objeto físico (o protótipo internacional do quilograma que está guardado no laboratório da Agência Internacional de Pesos e Medidas, em Sèvres) como padrão para o quilograma e passar-se a usar uma constante física, tal como já aconteceu com o metro.

O Scientificus é um projecto de promoção da cultura científica, procurando aproximar a Ciência dos Cidadãos. Este projecto pretende ser um espaço independente, inovador, empreendedor e dinâmico de divulgação da Ciência.