3 títulos, a mesma notícia

Nos dias 9 e 10 de novembro, os jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Observador publicaram uma notícia sobre o quilograma:

DN:  https://www.dn.pt/vida-e-futuro/interior/mudanca-a-caminho-um-quilo-vai-deixar-de-ser-um-quilo–10154607.html

Capturar_5

JN – https://www.jn.pt/inovacao/interior/quilograma-padrao-vai-passar-a-ser-definido-com-fisica-quantica-10159109.html

Capturar_4.PNG

https://observador.pt/2018/11/09/o-quilograma-vai-mudar-unidade-de-medida-deixara-de-depender-de-objeto-fisico-guardado-em-paris/

Capturar_6

Foram utilizados três  títulos distintos para comunicar a mesma informação, mas só um dos títulos é  verdadeiramente elucidativo.. .

Mas afinal, o que vai acontecer?

Basicamente o seguinte: vai deixar de se usar o objeto físico (o protótipo internacional do quilograma que está guardado no laboratório da Agência Internacional de Pesos e Medidas, em Sèvres) como padrão para o quilograma e passar-se a usar uma constante física, tal como já aconteceu com o metro.

Anúncios

A espécie escolhida

 

 

No seu livro analisam, através de novas provas genéticas, um dos aspetos mais controversos no domínio da paleontologia humana: a origem da humanidade moderna.

A principal causa da existência de hipóteses contraditórias relativamente à origem dos humanos modernos é a natureza do registo fóssil. Os paleontólogos tentam decifrar um processo que teve lugar ao longo de centenas de milhares de an

La-Especie-Elegida.jpg
Imagem retirada de https://www.fnac.pt/La-Especie-Elegida-Juan-Luis-Arsuaga/a711518

os em três continentes e que envolveu milhares de indivíduos. Para realizar uma tarefa desta envergadura contam exclusivamente com meia dúzia de fósseis, na sua maioria fragmentados, isolados e dispersos no tempo e no espaço. Não há dúvida de que são mais as lacunas do registo, do que os aspetos que se conhecem.

A descoberta de novos fósseis, a sua datação e o conhecimento cada vez mais profundo da biologia das espécies, são ferramentas fundamentais para os paleontólogos comprovarem as suas hipóteses. Trata-se, porém, de um processo lento e tortuoso, que depende em boa medida do acaso dos achados paleontológicos. O ideal seria poder recorrer a dados procedentes de uma área independente da paleontologia para pôr à prova as hipóteses surgidas dos estudos fósseis, mas onde procurar dados?

Os estudos genéticos dedicados ao esclarecimento da origem da humanidade moderna visam determinar a sua estrutura genética atual, a partir da qual é possível inferir sobre o “como”, o “quando” e o “onde” da nossa origem. Estes estudos centraram a atenção na molécula responsável pelo legado biológico, o ácido desoxirribonucleico (ADN), que tem na sua estrutura química, em código, a informação necessária para assegurar a continuidade das espécies. O ADN das células está organizado em unidades individualizadas chamadas cromossomas, que no caso das células animais se encontram alojadas no interior do núcleo celular. Cada espécie tem um número determinado de cromossomas. No que se refere aos humanos, estes têm 23 23 pares distintos de cromossomas homólogos.

O ADN das mitocôndrias de qualquer uma das nossas células pode identificar-se com um único antecessor em cada geração: a mãe, a avó materna, apenas uma das quatro bisavós, e assim sucessivamente. Apesar de não ter sido o primeiro trabalho publicado sobre a variação mitocondrial em humanos, artigo publicado no primeiro dia do ano de 1987 na revista Nature e assinado por Rebeca Cann, Mark Stoneking e Allan Wilson representou uma verdadeira reviravolta nos estudos sobre a origem da humanidade moderna.

Novo caminho para interromper o desenvolvimento da asma alérgica

photo
Estudo pode levar ao desenvolvimento de medicamentos para outras doenças, como as autoimunes, e para certos tipos de cancro (imagem: Journal of Allergy and Clinical Immunology)

Quem sofre de asma ou de alergias, com certeza já pensou como seria bom conseguir interromper uma crise asmáticas ou alérgica. Agora, investigadores brasileiros, conseguiram perceber como interromper a asma alérgica em cultura de células e em animaos, abrindo-se um novo caminho de investigação.

No estudo, publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology, relata-se que se aumentou a quantidade de uma determinada proteína que bloqueou os linfócitos T CD4 – responsáveis pela produção de citocina que desencadeia uma cascata de eventos que resultam no início e na progressão da doença.

“O que actualmente se administra em pessoas com alergia ou asma brônquica são medicamentos como anti-histamínicos, broncodilatadores e corticoides, que inibem sintomas da doença, além de inibir a resposta celular, incluindo a dos linfócitos TH2”, disse, em comunicado, João Santana da Silva, professor na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e coordenador do estudo.

“No entanto, as células TH2 levam à produção de substâncias responsáveis pela sintomatologia; então o tratamento é só de sintomas como coriza, dificuldade de respirar, entre outros. O que nós descobrimos é que se forem bloqueados outros linfócitos T, os TH9, a doença vai ter uma resolução efetiva, bloqueando inclusive a produção de substâncias que causam os sintomas”, acrescentou o investigador.

Os investigadores fizeram eperiências em cultura de células humanas e de ratinhos transgénicos. Os diferentes ensaios ajudaram a confirmar que quando o gene Blimp-1 é superexpresso há um aumento da proteína que ele produz, com o mesmo nome, que, por sua vez, bloqueia a acção dos linfócitos que produzem uma citocina, a IL-9, que causa a inflamação alérgica das vias aéreas. “O importante é que o bloqueio de IL-9 diminui a resposta TH2 e, consequentemente, a evolução da doença”, disse Luciana Benevides, principal autora do estudo.

O artigo B lymphocyte–induced maturation protein 1 controls TH9 cell development, IL-9 production, and allergic inflammation (doi: 10.1016/j.jaci.2018.06.046), de Luciana Benevides, Renata Sesti Costa, Lucas Alves Tavares, Momtchilo Russo, Gislâine A. Martins, Luis Lamberti P. da Silva, Luisa Karla de Paula Arruda, Fernando Q. Cunha, Vanessa Carregaro e João Santana Silva, pode ser lido em: www.jacionline.org/article/S0091-6749(18)31131-X/abstract

O Scientificus é um projecto de promoção da cultura científica, procurando aproximar a Ciência dos Cidadãos. Este projecto pretende ser um espaço independente, inovador, empreendedor e dinâmico de divulgação da Ciência.