Colonização

Nos últimos anos temos assistido a um proliferar de aerogeradores um pouco por todo o lado. A necessidade de encontrar uma fonte de energia alternativa aos combustíveis fósseis conduziu à implementação deste “moinhos do século XXI” em diversas zonas do país. Acontece que se atingiu um situação limite com a saturação dos locais mais indicados para colocar estes parques eólicos.

Em Portugal, o primeiro parque eólico foi criado em 1988 na ilha de Santa Maria no Arquipélago dos Açores, contudo mais recentemente a aposta nas energias renováveis fez disparar o número de parques eólicos para 106, nos quais existiam 703 turbinas eólicas, em Fevereiro de 2006. (Fonte:Portal das Energias).

As questões de natureza ambiental associada a factores de ordenamento do território são uma limitação importante ao desenvolvimento deste recurso. As principais incidências ambientais habitualmente apontadas são o ruído, o impacto visual e a influência na fauna avícola, apesar, dos avanços tecnológicos procuraram mitigar todos este impactos.

Contudo, a saturação está quase atingida pelo que surge a necessidade de procurar novos projectos que produzem energia de uma forma rentável.

Na sequência desta caça às novas fontes está em fase de inicio um projecto muito interessante no Arquipélago das Berlengas que procura tornar este pedaço de território auto-sustentável.

O Arquipélago das Berlengas situa-se a 5,7 milhas do Cabo Carvoeiro, do qual fazem parte três ilhéus: Berlenga Grande e recifes adjacentes, Estelas e um pouco mais afastado Farilhões – Forcadas.

O projecto em causa pretende que esta ilha se torna sustentável através de um sistema integrado de fornecimento de água potável, energia e tratamento de águas residuais. Este sistema pioneiro em todo o mundo despertou o interesse da NASA que disponibilizou o know how, com o objectivo de experimentar, estudar e apreender com este projecto, para posterior implementação em locais remotos.

O interesse da NASA por este projecto não está num futuro imediato, mas sim para possíveis missões ao Espaço, contudo, mesmo no nosso planeta existem muitos regiões que poderiam beneficiar de um projecto, nomeadamente áreas do Médio Oriente e zonas de África que não dispõem de água potável e de tratamentos de esgotos.

Uma outra vertente mais ambientalista do projecto procura combater determinados problemas associados à presença do homem através desta gestão integrada de recursos, procurando este projecto servir como motor para a candidatura da Reserva Natural da Berlenga a Reserva da Biosfera da UNESCO, já a ocorrer no próximo ano.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s