Science 2.0

Desde que começaram a ser publicadas, no século XVII, as revistas científicas passaram a desempenhar um papel fundamental no processo de comunicação da ciência. Surgiram como uma evolução do sistema particular e privado de comunicação que era feito por meio de cartas, entre os investigadores, e das actas ou memórias das reuniões científicas.

Tornaram-se a principal fonte de comunicação, adquirindo um estatuto superior aos próprios livros e monografias, especialmente por dois motivos: a prioridade na publicação das descobertas e o custo da produção. Essas pressões estavam intimamente ligadas pois, se a primeira foi causada pela demora na publicação das monografias, que comprometia a propriedade da publicação, a segunda foi consequência da extensão desses trabalhos, que dificultavam e aumentavam os custos da impressão.

Os cientistas resolveram esses dois problemas mediante a publicação das suas pesquisas em partes. Assim, os resultados logo apareciam, ficando assegurada a prioridade da descoberta e o custo não era tão elevado, se comparado com a publicação de um livro muito volumoso.

Essa forma de comunicação, assim dividida, não satisfez por completo a Comunidade Científica devido, principalmente, à divisão dos assuntos em partes. Outra dificuldade que os cientistas enfrentam é a publicação de artigos.

A publicação de um artigo científico é, em geral, um processo penoso e, até certo ponto, burocrático. Além do evidente trabalho de escrever o artigo, é preciso submetê-lo a uma revista apropriada e esperar uma resposta positiva por parte do editor da mesma. Daí até à publicação efectiva, o artigo ainda passa pela revisão dos pares. Na maioria das revistas, da aceitação do artigo à publicação, existe um hiato de, em geral, um ano. Dependendo da revista, esse período pode aumentar ainda mais, eventualmente, chegando a três anos. Desta forma, é muito vulgar os cientistas apresentarem os seus trabalhos aos colegas antes deste ser publicado.

Esta necessidade dos cientistas que têm de apresentar os seus trabalhos, o mais rapidamente possível, e, em primeiro lugar, relativamente aos seus pares, conduziu à utilização das novas tecnologias para a divulgação dos seus resultados. Destacam-se novas ferramentas da Web. 2.0., em especial, as redes sociais, que permitem comunicarem em tempo real com qualquer ponto do planeta. Com a mudança do paradigma da comunicação da ciência do papel para a rede começa a surgir um upgrade da Ciência – Ciência 2.0.. A Ciência 2.0 refere-se, geralmente, a novas práticas de cientistas que publicam resultados experimentais, teorias nascentes, reivindicações de descobertas e projectos documentais na Web. Este novo paradigma apresenta, tal como todos os outros, defensores e opositores. Os defensores dizem que estas práticas de “livre acesso” tornam o progresso científico mais colaborativo e, portanto, mais produtivo, ao passo que, críticos dizem que os cientistas que colocam resultados online correm o risco de que outros copiem e explorem os seus trabalhos para ganharem credibilidade na comunidade, ou mesmo, para registar patentes.

Apesar dos prós e contras, os sites de Ciência 2.0 começam a proliferar, como por exemplo, estes 10 sítios do web 2.0.:

1) CiteULike

2) Complore

3) Connotea

4) Dissect Medicine

5) iBridge Network

6) Postgenomic

7) ScienceHack

8) Scirus

9) ScientificCommons

10) SciTalks.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s