PARASITAS EM PEIXES IV – NEMATODA

PARASITAS EM PEIXES (IV)

NEMATODA

 

Classe: NEMATODA Rudolphi, 1808

Subclasse: SECERNENTEA

Ordem: ASCARIDIDA

Família: ANISAKIDÆ Skryabin e Karolhin, 1945

Género: Anisakis Dujardin, 1845

 

  • Posição Sistemática [Saraiva, A., 1994]

Os NEMATODA constituem um importante grupo de parasitas de peixes e de outros animais. Apresentam o corpo tipicamente alongado, cilíndrico, não segmentado e mais ou menos afilado nas extremidades. Têm o corpo coberto por uma cutícula não celular segregada pelo animal (pela hipoderme) e que é mudada ao longo da vida do animal, oferecendo ao parasita alguma mobilidade e flexibilidade. A cutícula do animal pode ser completamente lisa, ou apresentar espessamentos ou ornamentações de vários tipos [Rhode, K., 2005].

Fig. 1 – Anisakis sp. individualizado.
Fig. 1 – Anisakis sp. individualizado.

O esófago dos NEMATODA é tipicamente dividido num pré-ventrículo muscular e delgado e num ventrículo posterior que pode ser muscular ou glandular [Rhode, K., 2005; Saraiva, A., 1994]. O tubo digestivo é claramente dividido em esófago e intestino [Saraiva, A., 1994].

Os NEMATODA são animais dióicos. Os machos possuem espículas copulatórias (na extremidade posterior) para auxiliarem na reprodução. Os adultos encontram-se penetrando a mucosa do tracto digestivo, ou então livres no lúmen estando também localizados na cavidade abdominal, vísceras e tecido muscular [Rhode, K., 2005].

A boca dos ASCARIDIDA é terminal, localizada na região anterior e é caracterizada pela presença de três lábios proeminentes. São parasitas do tracto gastrointestinal de todas as classes de Vertebrados, incluindo peixes marinhos.

Fig. 2 – Região anterior de um exemplar de Anisakis sp.; nesta imagem observa-se o denticulo perfurador.
Fig. 2 – Região anterior de um exemplar de Anisakis sp.; nesta imagem observa-se o denticulo perfurador.

Os estados larvares denominam-se L1, L2, L3 e L4.

Os mamíferos marinhos são os hospedeiros definitivos do Anisakis sp. e ficam infectados quando ingerem presas que estão parasitadas com as formas L3. O principal local de infecção é o estômago, onde o parasita muda de L3 para L4 e desta para adulto, atingindo novamente a maturação sexual. [Saraiva, A., 1994].

Nemat3
Fig. 3 – Região posterior de um exemplar de Anisakis sp.

A Ciência do Leitor Luís M. Guapo Murta Gomes.

Luís Miguel Guapo Murta Gomes é genealogista, licenciado pré-Bolonha, em Biologia (Ramo Científico-Tecnológico em Biologia Animal Aplicada) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Pós- -Graduado em Ciências da Informação e da Documentação, variante Arquivos, pela Universidade Fernando Pessoa (Porto).

Neste momento é autor de 2 livros:

– Santo Estevam de Fayoens um morgadio flaviense

– A Empresa de Viação Murta

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s