Heliosfera

Atualmente as naves sulcam o espaço, mas os homens já não as tripulam. No seu lugar há sondas automáticas com inteligências para procurar, examinar e descobrir mundo novos, e para responder à questão de haver vida além da Terra. Cada uma destas explorações traz novos dados sobre o nosso Sistema Solar e os planetas e as luas que o compõem. Enquanto algumas destas novidades confirmam certas teorias, outras obrigam a rever tudo o que é conhecido e colocam hipóteses de trabalho algo inquietantes.

Uma das missões mais interessantes é a Solar Probe Plus. Durante anos, os cientistas pensaram em enviar uma missão para aumentar o conhecimento do Sol. Foi precisamente desta vontade, que foi projetada pelos engenheiros da Universidade John Hopkins, a sonda Solar Probe. Trata-se de um projeto de engenharia que tem como um dos principais desafios conseguir a proteção térmica adequada às condições que a sonda deverá suportar. Ficará praticamente imersa na coroa solar, cujo comportamento ainda não é profundamente conhecido. Esta sonda vai partir em 2018, mas só chegará ao seu destino em 2024.

Os dados conhecidos permitem aos cientistas concluir que o Sol tem uma massa 300 000 vezes maior do que a Terra. O seu diâmetro equatorial é de 1 400 000 km, isto é, umas 100 vezes o comprimento do diâmetro terrestre. Possui camadas diferentes, denominadas núcleo, zona de convecção, fotosfera, cromosfera e coroa solar.

Situado no Braço de Órion da Via Láctea, o Sol está a cerca de 150 milhões de quilómetros da Terra, pelo que a luz que emite demora 8 minutos a chegar. Ou seja, se o Sol se apagasse de repente, demoraríamos 8 muitos a apercebermo-nos disso.

Mas se esta é uma sonda que procura fazer um zoom in sobre o Sol para o conhecermos melhor, não deixa de ser importante fazer um zoom out para estudar o alcance e influência do Sol, e assim determinar a fronteira do Sistema Solar.

O So,l na sua atividade termonuclear, emite constantemente plasma (isto é, gás constituído por partículas carregadas) de muito baixa densidade, expandindo o seu campo magnético. Tal fenómeno chama-se “vento solar”, e é responsável pelas perturbações geomagnéticas que podem chegar e afetar, por exemplo, os sistemas elétricos das cidades.

A zona de influência do vento solar, em forma de bolha, chama-se heliosfera. Os seus limites vão para lá dos planetas externos e da Cintura de Kuiper. A camada que rodeia a heliosfera denomina-se heliopausa, onde deixa de haver forte influência solar e colide com radiações externas.

Na década de 1970, foram enviadas para o espaço duas sondas espaciais chamadas Voyager I e II. O objetivo destas sondas era originalmente reunir dados dos planetas mais distantes do Sistema Solar. Cumprido este objetivo, as sondas seguiram viagem afastando-se cada vez mais do Sol, enquanto enviavam dados para a Terra das zonas mais desconhecidas da heliosfera, avançando umas três unidades astronómicas (o que equivale a cerca de 450 milhões de quilómetros) por ano. Nos últimos anos, as sondas atravessaram a heliopausa e detetaram a existência de uma nuvem interestelar precisamente fora da heliosfera, produto da explosão de um enxame de supernovas.

Esperemos, então, por 2024 para receber as primeiras imagens vindas da Solar Probe, sonda que estará mais próxima do Sol nas próximas décadas.

 

Mais informações sobre a missão em aqui.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s