Seres vivos virtuais

Durante os últimos anos, as diferentes áreas da ciência têm procurado transpor as suas esferas de influência, criando simbioses com outras áreas conduzindo ao desenvolvimento de novas disciplinas de investigação. Uma destas novas áreas de investigação científica, que tem sofrido uma grande expansão, é a bioinformática, onde se procuram estudar sistemas biológicos recorrendo à simulação em computadores, através de softwares desenvolvidos para o efeito. 

Ao contrário da técnica tradicional, na qual se utilizam seres vivos em laboratório, esta técnica permite investigar, num “mundo biológico virtual”, temas como o papel da cooperação entre seres vivos na evolução ou mesmo a origem da vida. 

Um exemplo de aplicação deste tipo de metodologia é o estudo da ecologia evolucionária, na tentativa de compreender a relação e cooperação entre as espécies, o aumento da biodiversidade e da complexidade dos organismos, recorrendo à simulação em computadores. 

Uma outra abordagem desta mesma metodologia verifica-se quando os próprios softwares se “multiplicam” automaticamente. Este comportamento é semelhante ao dos vírus dos computadores que são capazes de produzirem rapidamente inúmeras cópias de si mesmos, só que nestes programas a “clonagem” é feita de forma controlada. 

Nestes recursos informáticos é possível introduzir mecanismos de selecção, análogos ao da selecção natural, e assim simular a competição entre espécies e outros fenómenos evolucionários. Por lado, estes “organismos virtuais são capazes de se adaptar às condições do “meio”, desenvolvendo estratégias de sobrevivência. 

Estes “seres digitais” têm a capacidade de se deslocarem na procura de “alimentos”. Os que os encontrarem em primeiro lugar têm mais hipóteses de sobreviver e de se reproduzir, o que permite observar o processo de selecção natural análogo ao dos organismos vivos. Estes organismos virtuais são capazes de criar, através das gerações seguintes, novas formas e novas estratégias de adaptação para que possam capturar o alimento, conduzindo ao desenvolvimento de organismos cada vez mais sofisticados. 

Até há pouco tempo, as possibilidades de se realizarem investigações biológicas, fora dos pressupostos tradicionais, era praticamente impossível. Contudo, as técnicas de produção de vida digital permitem aumentar exponencialmente as potencialidades da investigação científica, sem a presença de organismos vivos, 

Um dos aspectos que esta nova tecnologia vem permitir é a diminuição do tempo de reprodução e desenvolvimento nos organismos digitais, quando comparada com organismos biológicos. Este facto, permite remover uma das grandes dificuldades do estudo da evolução – o tempo decorrido entre gerações. 

O facto de em organismos biológicos o tempo decorrido entre gerações ser muito longo, leva a que as actividades experimentais, que envolvem milhares de gerações, sejam demasiado extensas. Este aspecto é contornado com a utilização de softwares informáticos. Por outro lado, o novo método permite também ter uma precisão estatística maior, pois pode-se lidar com populações de organismos maiores. 

Estas novas áreas de produção de conhecimento científico propiciam possibilidades novas, como ampliar a perspectiva da biologia para uma classe mais ampla de organismos vivos do que a que existe na Terra.

Anúncios

1 comentário a “Seres vivos virtuais”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s