Não se falou de Yoga no Ciência 2017

the-political-implications-of-ignoring-our-own-ignorance

 

Acreditando no relato que consta no artigo do Público intitulado “O Ciência 2017 voltou depois à Ciência” fica claro que o trabalho apresentado no evento Ciência 2017 intitulado “Ioga Ancestral de Bhárata/Índia, Desenvolvimento Pessoal, e Cidadania” não é sobre Yoga e não referiu qualquer fonte fiável na literatura védica (na qual assenta o Yoga). Baseou-se, antes, numa das muitas correntes personalistas sem qualquer base verídica e muito menos ancestral. O facto de ter havido um trabalho sobre uma balelice que usa a palavra ‘yoga’ só se explica, a meu ver, por esta moda recente das bolhas do ‘empreendendorismo’, do ‘mindfullness’, das ‘empresas cool’ que entram numa de evangelização com algo a que se chama yoga para vender. Schrödinger que teve a humildade intelectual suficiente para estudar os Vedas a sério e verificar a validade de muito do que lá vem, deve ter “dado voltas no túmulo” como se costuma dizer.

Por outro lado, também é verdade que qualquer técnica de yoga, que esteja referida na literatura original (vedas, hatha yoga pradipika, yoga sutras – com atenção às traduções – etc) já foi mais testada do que qualquer fármaco ou teoria científica. Segundo o último estudo, desde há aproximadamente 8000 anos. Ainda assim a Ciência, ou melhor, alguma ciência (já que esta é múltipla) continua a não atribuir validade aos vedas ou a essa mesma literatura. O que é normal porque existem diferentes tipos de validade, mas não vamos entrar em preciosismos epistemológicos neste texto.

Pessoalmente, não aceito tudo o que vem nos Vedas, mas sei que, no que respeita ao Yoga e suas técnicas, estas são válidas, com ou sem tubos de ensaio a prová-lo. Agora, quando a Ciência de massas ou a que tem o tubo de ensaio como deus único, decide pôr algo num dos seus fóruns, ao menos deveria ter o rigor que exige a outros sistemas de conhecimento quando decide falar desses mesmos sistemas. No caso, convém saber realmente o que é Yoga, para não dar banhos da cobra em Conferências nacionais com a dita “nata” da Ciência do burgo. Até porque se a intenção era inovar e mostrar um pouco de abertura epistemológica, podiam simplesmente ter explorado vários estudos científicos, por exemplo, dentro do tópico da relação da prática de yoga com a saúde física e mental. O Yoga não pretende ser Ciência, ainda que seja baseado num método e inclua técnicas. Mas mesmo o aspecto terapêutico do Yoga não promete curas. Propõe e pode proporcionar alívio de sintomas e uma maior capacidade de lidar com condições de saúde.

E só para que fique claro: em nenhuma literatura original, isto é, védica, do Yoga se diz que o Yoga cura cancros ou que não se devem tomar químicos. O Veda enquanto corpo de conhecimento tem um ensinamento central: eliminar o sofrimento humano. Não visa, portanto, eliminar ou promover mutações genéticas. Em nenhum sítio da literatura original do Yoga se diz o que foi dito nesta conferência do Ciência 2017.

Tristemente, isto aconteceu num dia com um dos simbolismos mais bonitos da tradição do Yoga: o dia de homenagem e de respeito e gratidão dos estudantes, aprendizes ou alunos, aos seus professores de yoga ou académicos.

Nota: A autora deste texto não assistiu à palestra apresentada no Ciência 2017, sendo este artigo baseado nos relatos presentes no artigo acima referido: https://www.publico.pt/2017/07/08/ciencia/noticia/o-ciencia-2017-voltou-depois-a-ciencia-1778184.

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s