Açores, um laboratório de Ciências da Terra

2810085195_3c53a17336

A Aldeia de São Lourenço, no Município de Vila do Porto, na Ilha de Santa Maria, Açores, é uma das candidatas a 7 Maravilhas na categoria “Aldeias Protegidas”. Se este concurso contemplasse o potencial para a investigação científica, os Açores naturalmente seriam vencedores. Todo este arquipélago é um laboratório para as Ciências da Terra.

Dado o seu enquadramento geotectónico, a região dos Açores apresenta importante actividade vulcânica e sísmica, bem documentada desde o povoamento destas ilhas, a partir de meados do século XV.

Assim, existem registos de 26 importantes erupções vulcânicas que ocorreram nas ilhas de S. Miguel, Terceira, S. Jorge, Pico, Faial e no mar entre elas. Destas 26 erupções, 12 foram subaéreas (S. Miguel, Terceira, S. Jorge, Pico e Faial), de natureza predominantemente efusiva. Contudo, há registo de erupções de natureza explosiva, nomeadamente as subaéreas ocorridas na ilha de São Miguel, em 1439, nas Sete Cidades, em 1563, e as erupções de 1444 e de 1630, localizadas na Caldeira das Furnas.

As últimas erupções importantes ocorridas nos Açores foram submarinas, nomeadamente, a erupção dos Capelinhos, em 1957/58, na extremidade ocidental da ilha do Faial e a erupção do “Vulcão Oceânico da Serreta”, entre 1998 e 2000.

A análise da idade geológica calculada para cada uma das ilhas parece mostrar que, em termos gerais, as ilhas mais afastadas da Dorsal Médio- Atlântica são as mais antigas. Neste contexto, a ilha de Santa Maria é a mais antiga do arquipélago (com cerca de 8,12 milhões de anos) e, pelo contrário, a ilha do Pico é a mais jovem (com cerca de 250 000 anos).

Por sua vez, a actividade sísmica associada às principais falhas activas existentes na região dos Açores manifesta-se geralmente sob a forma de um elevado número de microssismos (sismos de magnitude inferior a 3). Contudo, periodicamente, as ilhas açorianas são afectadas por sismos moderados a fortes, mas energéticos, que têm causado destruição e impactos económicos significativos. Após 1947, as principais crises sísmicas que afectam os Açores ocorreram nos anos de 1958, 1964, 1973/74, 1980, 1988/89 e 1998.

Tendo em conta a sismicidade que evidenciam, as ilhas do Açores podem ser agrupadas em 4 grupos principais:

– as ilhas de São Miguel, Terceira e Faial, de maior sismicidade;

– as ilhas Pico e São Jorge em que há, comparativamente, menor número de sismos sentidos e de menor intensidade;

– as ilhas Graciosa e Santa Maria, que evidenciam baixa sismicidade no contexto regional, com poucos sismos sentidos;

– as ilhas das Flores e Corvo, de reduzida sismicidade, fruto do seu enquadramento geotectónico, no seio da placa Norte-americana.

Em síntese, as ilhas dos Açores, de origem vulcânica, situam-se num quadro tectónico original, o que confere a este arquipélago uma geodinâmica muito activa, accionada pela energia interna da geosfera, nomeadamente ni que se refere a fenómenos vulcânicos e sísmicos.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s