Sorria! Está a ser filmado.

Um  estudo realizado pelo Laboratório de Expressão Facial da Emoção, da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade Fernando Pessoa revela que os portugueses estão a sorrir cada vez menos.  A frequência e a intensidade do sorriso tem vindo a descer ao longo da último década, sendo cada vez mais e mais fechado.  Esta conclusão resulta da análise efetuada ao universo das mais de 387 mil fotografias tiradas ao portugueses ao longo dos últimos 10 anos.

Cientificamente o sorriso é explicado como uma reação neuropsicofisiológica,  que se desenvolve em situações que envolvam o bem-estar e a felicidade; quando tal não se verifica, por motivos externos, o sorriso é inibido e recalcado. É precisamente este ponto que preocupa os investigadores uma vez  que a ausência de sorriso, ou um sorriso forçado, é sinal que a felicidade está a diminuir podendo influenciar negativamente a saúde e enfraquecer a interação social do cidadão.. O sorriso (que exercita entre 5 a 53 músculos)  pode ser um recurso terapêutico na medida em que altera o estado emocional da pessoa, tornando-a mais favorável a enfrentar situações psicologicamente difíceis.

Por isso, sorria, está a ser filmado!

Novo ano, novo projeto

O conhecimento científico e tecnológico é, hoje, consensualmente apontado como um dos principais pilares das dinâmicas de desenvolvimento económico, social e cultural das sociedades contemporâneas. Neste sentido, a influência social da ciência propagou-se às diferentes formas de pensar, disposições cognitivas e orientações da ação da vida quotidiana das sociedades de tal modo que, nas últimas duas décadas, assistiu-se ao incremento de debates acerca de temas científicos e tecnológicos na sociedade.

Para acompanhar esta evolução, o cidadão necessita de participar ativamente na discussão destes temas, precisa de entender as grandes questões que se põem à ciência na época contemporânea sendo, deste modo, importante alargar à população em geral, ou pelo menos a segmentos tão vastos quanto possível, a apreensão de aspectos fundamentais inerentes à ciência.

A importância de promover a participação do cidadão na ciência apresenta duas dimensões: a primeira associada ao papel da ciência, enquanto dispositivo cognitivo, retórico e comunitário de produção de estratégias de sobrevivência na relação homem/natureza; a segunda, como mecanismo dos governos para legitimar decisões políticas, relacionadas com a ciência e a tecnologia, através da responsabilização dos cidadãos nas definições das estratégias a desenvolver. Esta é a tese do relatório da The Royal Society of London que defende que,

“Uma melhor compreensão da ciência pelo público pode constituir um elemento determinante para a promoção da prosperidade nacional, elevação da qualidade da decisão pública e privada e enriquecimento da vida do indivíduo”. (The Royal Society of London, 1985)

É neste contexto que surge o Scientificus; projeto que pretende ser arejado, inovador, com uma imagem atualizada e caraterizado pelo rigor na informação que publica. Procuraremos  ir ao encontro do que se faz na vanguarda da ciência, sem esquecer o que se fez para chegar lá.  Não ficaremos pelo mundo científico, iremos “tocar” outras áreas do conhecimento, tendo sempre a ciência e a tecnologia como pano de fundo. Reservaremos um papel importante à comunicação através do multimédia, sem descuidar a presença nas redes sociais.

No fundo trata-se de o nosso compromisso é o desenvolvimento de projeto em constante crescimento, dinâmico e com objetivos perfeitamente balizados na promoção da literacia científica!

O Scientificus é um projecto de promoção da cultura científica, procurando aproximar a Ciência dos Cidadãos. Este projecto pretende ser um espaço independente, inovador, empreendedor e dinâmico de divulgação da Ciência.